Meu esôfago está cada vez mais preguiçoso!

Depois de 47 dias corridos, após a cirurgia, me sinto muito bem. Os desconfortos dos pontos quase sumiram e os espasmos têm se tornado cada vez mais escassos, felizmente.

Já estou comendo praticamente tudo, mas sempre ingerindo pequenas quantidades de cada vez e mastigando muitas vezes antes de engolir.

Sinceramente, não consigo comer mais rápido. A sensação que eu tenho é que meu esôfago está cada vez mais lento por causa da progressão da acalasia. A comida desce bem lentamente pelo esôfago e só ajuda empurrando tudo com algum líquido.

Também estou comendo bem menos do que comia. Sinto meu estômago menor, talvez seja por causa da fundoplicatura, realizada na cirurgia. Além de ter que comer muito mais devagar, o que me faz ficar saciado mais rapidamente.

Em certo ponto até acho bom, pois se eu tivesse que comer a mesma quantidade que comia antes, eu “perderia”, pelo menos, umas duas horas almoçando. Seria impraticável.

Sou sempre o último a acabar de comer e isso tem feito com que eu prefira comer sozinho, às vezes. Durante as refeições, tenho que fazer várias pausas também antes de continuar com as próximas garfadas, esperando a comida escorregar pelo esôfago.

Quando eu falo isso para as pessoas, alguns me olham com uma cara de espanto, como se eu fosse um extraterrestre. É de se entender, pois quem tem o peristaltismo em ordem nem sente a comida descendo, é tudo tão natural. Fica difícil entender o que eu sinto.

É bastante difícil explicar a sensação que eu tenho para quem tem o esôfago funcionando normalmente. Mas é isso, meu esôfago está parando de vez e serve apenas como um caminho, que direciona a comida e o líquido para o estômago.

Mas se eu for ingerir somente líquido é bem rápido. Acho que, pelo menor atrito com as paredes do esôfago, o líquido desce super bem, acho que na mesma velocidade de uma pessoa sem acalasia.

Com o desbloqueio da EEI (esfíncter esofágica inferior), obtido com cirurgia de Heller, eu não tive mais nenhum travamento, nenhum represamento de alimentos e líquidos no esôfago. Graças a Deus não tenho mais regurgitações, sufocamentos e dores depois de comer e beber.

Também não precisei dar os meus pulinhos nunca mais, nem subir e descer escadas para aumentar a pressão na EEI e fazê-la abrir. Um grande alívio!

Comidas muito leves, ou melhor, pouco densas: com muito volume e pouco peso são uma tortura. Para fazê-las descer pelo esôfago só empurrando com muita água. Nem me atrevo a comer algodão doce. Ainda bem que não gosto.

Outros alimentos como folhas de saladas também são mais difíceis de descer, pois são muito leves e volumosas, se aderem demais nas paredes do esôfago e dificultam muito a refeição.

O que faço para comer estes tipos de alimentos é cortá-los bem e mistura-los com o restante da comida, assim consigo comer com mais facilidade quaisquer verduras e folhas.

Quando eu exagero comendo um pouco mais, também sinto mais queimação do que antes. Com a EEI aberta, mesmo com a fundoplicatura, não posso deixar meu estômago cheio demais, pois é certo de que terei desconfortos com bastante refluxo.

Com o estômago muito cheio, qualquer leve pressão nele, acrescentado ao fato de a válvula natural anti-refluxo da EEI estar rompida pela cirurgia de Heller, são muito mais fáceis os episódios de refluxo.

Procuro não me deitar depois de comer também. Espero pelo menos umas duas horas para me deitar. Comer muito tarde para mim é péssimo. É uma droga, sendo sincero. Antes de ter acalasia já era ruim, agora se tornou muito pior, mesmo depois da cirurgia.

Percebo também que muitas pessoas não entendem como eu não fiquei 100% curado, mesmo depois da cirurgia. A cirurgia para acalasia é apenas paliativa, gostaria que todos entendessem isso. Ela não corrige todos os sintomas da doença.

Não posso comer muito tarde, não posso comer como se não houvesse amanhã e também não consigo comer rápido. Então por favor, quando me convidarem para almoçar ou jantar, tenham paciência.

Na maioria das vezes que almoço ou janto na casa dos outros, acabo comendo bem menos do que gostaria. Enquanto estou dando as primeiras garfadas e esperando a comida descer pelo esôfago, a maioria das pessoas à mesa já está terminando de comer e indo para a sobremesa.

Não me alimento tão devagar porque eu quero, tenham certeza disto. Eu não tenho mais o peristaltismo esofágico e caso eu tente comer mais rápido, eu engasgo, a comida embola no esôfago e me sinto sufocado. Agradeceria a todos pela compreensão e paciência.

Também não consigo conversar durante as refeições. Estou com a EEI constantemente aberta e quando falo durante as refeições, empurro muito ar para dentro do estômago, além de me engasgar com mais facilidade.

A cirurgia apenas elimina, e nem sempre em 100% dos casos, o problema de retenção de alimentos e líquidos no final do esôfago, pois rompe a musculatura da EEI. Mas a dificuldade de deglutição, por causa da dismotilidade esofágica, continua. É irreversível. Então, quem tem acalasia sempre terá dificuldade de comer e beber, e deve se adaptar a isso.

Infelizmente, a acalasia é uma doença degenerativa e progressiva, sem cura e seu tratamento é apenas paliativo. Mesmo assim, diante dos inúmeros desagradáveis e dolorosos sintomas, além das complicações obtidas com o bloqueio da EEI, com a cirurgia a melhora na qualidade de vida é significativa.

Já a minha recuperação está sendo fantástica, estou muito melhor do que antes. Certamente, até este momento, recomendaria, sem pensar, a todos que têm acalasia que perguntassem aos seus médicos sobre a possibilidade de fazer a cirurgia.

Valeu muito a pena!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.