Gratidão, Resignação e Valorização

Pode parecer um pouco estranho o título deste texto. Como assim, gratidão e resignação? Estou enfrentando uma doença rara e incurável e ainda devo ter gratidão e resignação? A resposta é sim, meu amigo.

Pode parecer conversinha, o Marcos está apenas querendo aparecer (Já ouvi isso algumas vezes). Afinal de contas, ele já fez a cirurgia. Então por que ele vem com esse papinho de gratidão, resignação e valorização?

Desculpe-me se estou ofendendo algum leitor sofrendo com a Acalásia. Este não é meu intuito e nem do blog. Sei que muitos estão procurando tratamentos, cirurgias ou qualquer forma de aliviar os torturantes sintomas da Acalásia. Eu também passei por todas essas fases e não é nada agradável. Eu me sensibilizo e conheço exatamente o seu sofrimento.

Mas entenda uma coisa, desculpe novamente: Seja grato! Seja grato por que você foi o contemplado com uma dença rara, incurável, desgastante, que traz muito sofrimento e desespero para alguns.

Seja grato, pois você está tendo a chance e a oportunidade de corrigir as suas outras inúmeras falhas, ao contrarir a Acalásia.

O portador de acalásia torna-se mais humilde, entende que é frágil, e basta-lhe uma doença como essa e ele não poderá mais beber um gole de água e nem comer sequer um pedacinho de um sanduíche.

A acalásia nos torna mais fortes. Somos obrigados a encarar o desafio dos exames que não são agradáveis, além de ter que enfrentar, constantemente, a progressão da doença, que é inevitável.

Seja grato, não por ter acalásia, mas pela doença lhe proporcionar outra visão do mundo. Coisas materiais, futilidades e desnecessárias não estarão mais no seu foco, por causa da doença. Pense nisso. Você apenas quer se livrar dos sintomas da doença. Então, o que vale ter o carro mais luxuoso, a casa mais cara do bairro, roupas novas, tênis importados e muito dinheiro, se nada disso irá curá-lo.

Claro, que precisamos sobreviver, mas apenas com o necessário. O necessário para realizar talvez uma cirurgia ou um tratamento e, posteriormente, o necessário para vivermos de modo civilizado, sem luxos, supérfluos e bens desnecessários.

Apenas com o necessário, para conseguirmos realizar nossos exames rotineiros e viver uma vida mais simples.

Gratidão, pois acalásia traz consigo, na pele, o que outras pessoas também podem estar sentindo. Não somente com a acalásia, em sim, mas também com outras doenças e enfermidades tão cruéis ou ainda mais. Assim, conseguimos criar empatia com os doentes, enfermos e passamos a ter vontade de ajudá-los.

Mas não apenas ajudar os enfermos, mas todos os que precisam de nossa ajuda. Então, seja grato por todas essas consequências que a acalásia lhe trouxe. Seja mais bondoso, caridoso (consigo e com os outros), ajude as pessoas, certamente dentro de suas limitações.

E seja grato por aprender uma lição valorosa com a acalásia: Apenas faça aquilo para o próximo o que deseja para ti mesmo. Afinal de contas, sabendo de todos os terríveis sintomas da acalásia, você desejaria essa doença ao seu próximo? Obviamente, que não. Mais uma lição aprendida. Então seja grato.

Resignação. Não adianta, a Aclásia não tem cura. Seus sintomas podem ser aliviados com a cirurgia durante um tempo? Sim, claro que sim. Mas não tem cura. E o melhor: além de não ter cura, você, mesmo operado e como todos os tratamentos realizados, ainda terá dificuldades na sua deglutição, não conseguirá comer direito, como antes.

Frequentemente, mesmo operado, o alimento poderá entalar, já que seu peristaltismo foi comprometido. Principalmente em momentos em que serão necessários que você se alimente mais rapidamente (uma reunião, um trabalho que envolve mais atenção e dedicação, e outros inúmeros fatores).

Você nunca será o mesmo. Nunca mais sua deglutição será tão imperceptível e natural, como ocorre em pessoas que não têm a doença. Sempre vai travar um pouco (às vezes até muito, mesmo feito a cirurgia), a descida do alimento será sempre mais lenta e incômoda, mesmo com a cirurgia e tratamentos realizados.

Na maioria dos casos, você mal terminou a metade do seu prato de comida durante o almoço e os demais amigos, colegas e familiares da família à mesa já estarão na sobremesa.

Então, resigne-se. Aprenda a aceitar a sua nova situação. Aprenda a se conformar com as suas novas limitações.

Mas além da resignação, o aceitamento completo do problema e que não há jeito de mudar. Você, com o tempo também verá que não adianta murmurar, reclamar e levar a vida se isolando.

Você perceberá, com o tempo, que ficando nervoso e murmurando, os sintomas aumentam ainda mais. Ficará mais difícil a comida descer. Entala tudo, e aí você fica mais desesperado e em pânico, pois pode ocorrer uma entrada de alimentos no pulmão, por exemplo, e agravar muito o seu quadro.

Então, a receita é: resignação sem reclamação. Apenas aceite. Aconteceu, teve um motivo para tudo isso ocorrer. Talvez a necessidade de novos aprendizados, novas provas.

Não há o que fazer. Então por que não se resignar e parar de reclamar da doença? Ela não vai se auto curar por causa disso. É perda de energia murmurar, reclamar ou ficar tentando entender por que motivo você teve acalásia. Apenas aceite, sem reclamações ou conjecturas.

Se ninguém te esperar na mesa, enquanto você come, paciência. Continue comendo lentamente, mastigando bem, com poucas quantidades de alimentos em cada garfada. É o melhor a fazer, principalmente depois de operado. A descida será mais suave, os sintomas terão menor intensidade.

Não ligue se todos saíram da mesa. Melhor assim! Pense que é um mesa de comida só para você! rsrs.

Então, a resignação é super importante. E vai por mim (como um adepto ao espiritismo), o que estamos vivenciando com a doença é passageiro, é só uma etapa da vida encarnado. O que são 70, 80, 90, 100 anos diante da eternidade da vida espiritual (que é imortal e a verdadeira vida).

A acalásia só apareceu para te ensinar algumas coisas nessa vida. Igual a uma escola. Uma hora aprendemos o que nos foi permitido e ao que nos dedicamos, e logo depois a escola ou série acaba e partimos para outra jornada. Partimos para vida real. A vida espiritual. E a Acalásia é só um meio para nos moldarmos, aprendermos e evoluirmos moralmente, principalmente.

Valorização. Com a acalásia percebemos que nada é eterno, tudo pode mudar em questões de segundos. Nada estará disponível quando quisermos. Você teve acalásia e não consegue mais beber água e nem comer! E aí? O simples fato de ter a capacidade de comer e beber naturalmente não lhe foi tirado com a doença rapidamente? Claro que foi.

Então por que outras “coisas” também não podem lhe ser retiradas com o piscar dos olhos? Como a visão, a audição, a capacidade de andar, o paladar, o tato, a capacidade de respirar normalmente ou nem respirar, etc.?

Valorize e seja grato com o que você tem! Não me refiro às coisas materiais. Me refiro às coisas cotidianas, normais e que parecem ser simples, mas são divinas. Valorize o amor, valorize suas amizades, valorize muito os seus pais, que te educaram e lhe ajudaram muito no que você se tornou e conseguiu obter (principalmente moralmente e intelectualmente). Valorize sua oportunidade de estar encarnado e evoluindo.

Valorize se você puder respirar, andar, ouvir, falar, pular, se mexer, sentir o gosto dos alimentos e bebidas. Valorize o seu poder de beijar, amar, ajudar, ser ajudado e ser ouvido. Valorize as pessoas ao seu redor, valorize uma gota de chuva que traz o bem tão precioso que é água, que nos permite matar a sede, nos banhar, aliviar a secura do ar, que por sua vez, nos permite respirarmos melhor.

Tudo é efêmero (exceto nosso espírito imortal). Mas tudo muda o tempo todo, tudo passa e sempre passará (como diz Lulu Santos). Então valorize. Nada é certo. Não há certeza de nada no plano material. Tudo irá se transformar. Tudo pode acabar de uma hora para outra.

Então, procure estar mais vezes com os seus pais e com as pessoas amadas. Um dia eles poderão não estar mais aqui, materialmente, conosco. Então valorize sempre tudo, principalmente aquilo que você considera “banal”.

Espero ter aliviado um pouco o seu sofrimento psicológico (ou espiritual) com a Aclásia.

Não fisicamente, pois não temos a mesma evolução e poder de Jesus Cristo (ainda não, pois um dia seremos espíritos extremamente evoluídos, puros e superiores, independentemente de nossa vontade e da quantidade de encarnações para que isso se torne necessário). E muito menos de Deus, o criador e a inteligência e a moralidade suprema.

Finalizando, procure no seu íntimo o que deve ser mudado para o bem. O que você precisa mudar e melhorar moralmente.

Qual reforma íntima deve ser feita com a vinda da Acalásia? Tenho certeza que você encontrará muitas respostas ao refletir profundamente e saberá quais as reformas que precisam ser realizadas. Então tente realizar. Nem todas serão modificadas de modo fácil e rápido.

Requer disciplina e vontade. E mesmo assim, algumas você não conseguirá mudar. Não agora, mas futuramente nesta ou em outras encarnações. Você se tornará cada vez mais forte, mais virtuoso, com sua moralidade e intelectualidade mais próxima do nosso maior modelo: Jesus Cristo.

Que Deus lhe abençoe, e que com a sua boa vontade de mudar, se tornar uma pessoa melhor ainda, Deus vendo o seu esforço e suas mudanças, amenize seus sofrimentos.

Não se esqueça disso: Deus não castiga, não pune. Tudo o que ocorre com a gente é proveniente da lei divina de causa e feito (lembra no colégio? Para Newton: ação e reação). E ela existe apenas com a finalidade pedagógica, criada divinamente para nos ensinar novos bons valores e condutas.

Fique com Deus!! Tenha Fé!!

Um comentário em “Gratidão, Resignação e Valorização

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.